O repetidor

Enquanto escorre a vida,
apresso-me na dianteira
das cenas vivas, já lidas,
ah! repetição costumeira

Porém, repetir até convém
assim vieram os sorrisos,
e as pestes, e as curas.
Meus versos dizem amém.

Escreve-se além das regras;
se viver alegra e consterna,
qual pranto é a minha lei?

Sozinho, contudo abraçado,
carrego a morte num bolso
e a tal repetição em outro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *