Um quase epitáfio

epitafio

Tenho algumas coisas a dizer, antes que haja meu último suspiro. Não que eu esteja vislumbrando os olhos imediatos da morte. Contudo, resolvi me precaver, como teria feito Brás Cubas se em tempo hábil, e narrar alguns desabafos típicos dos moribundos. Se Goeth me permite, e tal honra com seu próprio sangue ele há de me conceder, diria que pequei pelas paixões. Não pelos números, porém pela intensidade. Mas de uma pecaminosidade tão instantânea, e ingênua, que derivou em mim a noção magnífica do amor. Depois me choquei. Fui contundido como todos são. Visitei os cemitérios onde, por costume, sepultam os ossos que minutos antes eram carne viva. A fragilidade do corpo, e a instabilidade do psicológico, fazem-me declarar agora, aqui neste quase epitáfio de um ainda vivo, que a vida não se trata de nada senão os olhos que afrontam o coração.

Autor: Lucas Vinícius da Rosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *