Tag Archives: poesia

Servir-me fui, quando sentei, você não estava mais

  Vi-lhe num susto, assim, de abrupto, E na obra de arte fiz-lhe analogia; Como um entusiasta que a tela admira Sabendo que ali eterno é o segundo. Mas diante do quadro

Eterno incompleto

Eu com os olhos arregalados, ela com a privação de ver o que já não quero; Eu com minha boca cheia de dentes, ela com a língua queimada, que não sente mais

Sem foco

Por certo, de teor entreaberto me apego, absolutamente absoluto de lado, controverso, louco e aberto à vida, à tudo, completo e certo Vivendo uma liberdade libertina que arremata aquele a quem atina…