Servir-me fui, quando sentei, você não estava mais

tela_branco

 

Vi-lhe num susto, assim, de abrupto,
E na obra de arte fiz-lhe analogia;
Como um entusiasta que a tela admira
Sabendo que ali eterno é o segundo.

Mas diante do quadro susto os pés,
Os olhos e aprofundo-me sonhando
As linhas na mente; porem seu viés
Dura pouco, e muito fico lembrando.

Árdua arte refazer os traços à cega
A exigir inspiração viva de artista
Mesmo ausente sua figura tão terna.

Oportuna sorte minha ainda ter vista
E ser poeta pintor de pincel ousado,
Saltitando-me na alma o seu traçado!

Autor: Lucas Vinícius da Rosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *