Sem foco

Por certo, de teor entreaberto
me apego, absolutamente absoluto
de lado, controverso, louco e aberto
à vida, à tudo, completo e certo

Vivendo uma liberdade libertina
que arremata aquele a quem atina…
a voraz vontade de morrer, viver
renascer a cada segundo, vida sem adoecer

Abastado de viver, ingrato eu
satisfaço-me num copo, num verso
paralelo ao sentimento de todo reto
curvilíneo, tramitado e pequeno

Pequena respiração que se mostra sistêmica
vida curvilínea, que assim me desperta
traz-me tragédia e, no final, comédia
amor mal amado, destino não ditado,
perversa colmeia

Nos olhos de uma ateia vejo Deus
abelhado, amarelo, rápido e transtornado
e por outro lado, velho, jovem, ditado
afagado pelo céu, invariavelmente terreno
lançado ao léu

Morri no nascimento para que pudesse,
dessa forma, renascer na minha morte,
tive sorte… neste percurso,
descobri a amizade da poesia, síntese inversível,
ponto final, vital, mortal.

Autor(es): Armindo Guerra Jr. e
Lucas Vinícius da Rosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.