Poetas não sobem pódios

 

E se aqui não houvesse a competição
Seriamos todos iguais uns aos outros
À medida que exibimos outros colossos
O pódio iria à falência, e não em vão

Todos comporíamos os versos da dor
Do sofrimento agudo que estala, e faz
Do extase a alegria de um Sol a se por
A rima seria plebéia e o poeta capataz

Perseguidor dum fatal Sol a sangrar,
Como amores seguem até a murcha flor
E o ódio traz a água que faz queimar

Um soneto medíocre nasce pelo furor
Da poesia que não quer a despedida;
Embora assim seja o verso, e a vida!

Autor: Lucas Vinícius da Rosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *