Perto ou triste

Longe, longe, perto ou triste
porque insiste e não desiste
de sorrir sempre para mim

Longe, longe, demais até
mas, fui a pé e o seu José
disse que a estrada não tem fim

Se o mundo é dos adultos,
não deixei de ser criança
se o mundo é o dos espertos,
me escondi na ignorância

Tempo, tempo, que já não é
que já se foi
e não tem fim
como um espelho de nós dois

Tempo, tempo, que já passou
não volta mais
é sempre assim
numa ampulheta vi o fim

Uma gota de verdade
num oceano de mentira
é não ter saudade
cicatrizando a ferida

Autor: Armindo Guerra Jr.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *