Algoz de todos nós

Fujo das lágrimas tal qual o diabo da cruz
sentimento que faz jus, ao meu porém
contudo, faria tudo, não fosse o que não fazer
banho-me em noite de lua perdida, sem saber
que sujeira quero dinamitar, e… sem notar
que noite de luar, nem memso limpa, nem suja
apenas brilha, como o vagalume insiste à brilhar
ah… areia de ampulheta tardia, consumida
pela vida, pelo som, pelo sol, pelo mar
por ele, por nós, algoz de todos nós
algoz, talvez dele mesmo; o tempo…

Autor: Armindo Guerra Jr.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *